Lacte 16 reúne mais de 2.600 participantes em modelo híbrido

|


Divulgação
Mais de 2.600 pessoas participaram dos eventos principais do Lacte 16
Mais de 2.600 pessoas participaram dos eventos principais do Lacte 16
Chegou ao fim o Lacte 16, cuja jornada começou em dezembro de 2020 e trouxe três eventos Pop-Ups, a Expo Lacte em modelo digital e mais três encontros híbridos e multihubs realizados em São Paulo e no Rio de Janeiro. O primeiro dia do encontro, que aconteceu no Golden Hall do WTC, em São Paulo, reuniu cerca de 100 participantes no formato físico e mais de mil no on-line. No segundo dia, dedicado ao Mice, o evento foi transmitido simultaneamente do Club Med Lake Paradise, em São Paulo, e do Rio das Pedras, no Rio. Já no terceiro dia, devido às restrições impostas pela fase vermelha da pandemia, a transmissão ao vivo foi feita no Windsor Barra na cidade do Rio apenas no formato digital. No total, 2.600 pessoas passaram pelo Lacte 16.

O country manager e sócio da Flow Brasil, Marcio Cassin, abriu a tarde de conteúdo do primeiro dia falando sobre transformações nesse período de pandemia. Trícia Neves moderou o painel "A transformação da gestão de viagens", que contou com a presença de Marcel Frigeira, gestor de Viagens na IBM; Carolina Pusceddu Ferreira, gestora de Viagens do Grupo ArcelorMittal Brasil; e Andrea Matos, gestora de Viagens da EBANX, que debateram sobre a questão de controle e autonomia em um tempo em que as pessoas estão trabalhando de qualquer lugar. O dia ainda teve painéis com cases de sucesso apresentados pela Copastur e Paytrack e a apresentação do dr. José Cerbino Neto, médico infectologista da Fiocruz, que apontou um segundo semestre mais otimista para o setor.

MICE

Divulgação
O dia dedicado ao Mice teve, além da agenda de conteúdo, a transmissão do Lacte em formato multihub. Álvaro Real, diretor da Bravart, apresentou um conteúdo sobre "Storytelling embalando eventos" e reforçou a importância de entender o perfil da audiência, histórico de conteúdo, contexto profissional e diversidade para a criação de um planejamento narrativo. Ainda no evento, Real apresentou a parceria entre Alagev e Bravart para treinamentos de equipes de planejamento narrativo e desenvolvimento de conteúdo. Já Rodrigo Cezar e Gustavo Elbaum participaram do painel "Eventos lá na frente", no qual fizeram enquetes em tempo real com os participantes para entender o humor do mercado e o retorno dos investimentos nesse segmento.

O case Lacte16 contou com a participação de Juliana Aranega, head de Eventos e Comunidade da Imaginadora; Raffaele Cecere, sócio fundador do Grupo R1; e Rogério Miranda, sócio e fundador da Inteegra, parceiros da Alagev na organização do evento. Eduardo Mirad conduziu o debate que falou sobre os desafios e aprendizados de colocar um evento do porte do Lacte "em pé". Caio Casseb, cofundador da Scoop & Co, Vento e Descola, fechou o segundo dia com uma palestra sobre "Como se manter relevante em um mundo dominado pela tecnologia" e falou sobre a construção de um mindset empreendedor, habilidades comportamentais e o processo contínuo de aprendizagem e erro.

MOBILITY & BEYOND

O último dia do evento, realizado somente em formato digital, trouxe o tema mobilidade para o centro da discussão. Rodrigo Cortés, diretor regional Latam do Waze, iniciou os trabalhos com uma breve apresentação sobre as "Mudanças na mobilidade e as realidades na América Latina". No painel "Expatriação e Relocation: o que aconteceu em 2020 e o que esperar daqui para frente", a advogada Gabriela Voss Chagas, da Veirano Advogados; Marcelo Lucero Schmidt, da Woke; Norma Caldas, da Michelin; e Natália Dutra Silveira, da Toughworks, debateram sobre as transformações e oportunidades que a pandemia trouxe para as empresas que têm seus executivos em trânsito e como o duty of care está no centro das relações.

Divulgação
Fechando o último dia do Lacte 16, Flavio Tavares mediou o painel "Soluções e tendências em mobilidade corporativa", com Luis Moura, head de Marketing da Voll; e Marcel Bianchi, head de Canais de Vendas B2B da Click Bus. O ponto alto do debate girou em torno de como a pandemia mudou o comportamento do viajante em trânsito e como o transporte compartilhado e a mobilidade terrestre ganharam espaço nesse cenário em que o gestor olha para a inovação, segurança e facilidade de locomoção de seus viajantes.

"A construção do Lacte em check-points nos permitiu criar uma cauda longa da experiência e do conteúdo compartilhado com os nossos participantes. Nos valemos da tecnologia para operar um encontro disruptivo e com muitos aprendizados. Sem dúvida, um marco para o todo o setor e especialmente para a Alagev. Estamos felizes com o resultado do evento e com o engajamento que tivemos do público no Brasil e a expansão para a América Latina. Agora, temos o desafio de reinventar e inovar e promover uma experiência ainda mais marcante no Lacte 17", finalizou Eduardo Murad.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA