Digitalização ainda é desafio para gestão de gastos nas empresas

|


Shutterstock
Para 54% dos entrevistados, as tecnologias ajudam a tomar decisões baseadas em dados
Para 54% dos entrevistados, as tecnologias ajudam a tomar decisões baseadas em dados
Apenas 23% dos executivos das áreas de procurement e cadeia de suprimentos contam com uma visão clara, automática e em tempo real das despesas em geral, concluiu o estudo Agile Procurement Insights conduzido pela SAP SE, em colaboração com a Oxford Economics.

Segundo o levantamento, 49% dos gestores ainda analisam dados manualmente para fundamentar a tomada de decisão. O estudo foi realizado com mil executivos em 21 países para ajudar a compreender a influência das atividades de procurement nas empresas, o estado atual da colaboração com fornecedores e o impacto da tecnologia nas funções de procurement.

Um subconjunto dos executivos participantes está obtendo resultados de negócios mais sólidos. Os líderes têm investido em tecnologia e digitalização dos processos para ajudar suas organizações a se anteciparem ao inesperado, elevando os níveis de agilidade e resiliência das empresas e o valor estratégico das aquisições para os negócios.

"O estudo mostra que a área de compras se torna cada vez mais estratégica para os negócios e a importância de ter a visibilidade completa dos projetos de suprimentos, dos gastos diretos, indiretos e de serviços e a gestão completa da cadeia de suprimentos diferenciam as empresas que se mostram mais resilientes e ágeis para a tomada de decisão e para reagir as mudanças impostas pelo mercado", explica o vice-presidente da SAP Ariba no Brasil, Silvio Abade.

A pesquisa resultou em cinco relatórios que examinam as principais áreas de gestão de despesas e discutem o que os líderes fazem para se diferenciarem.

1. "Líderes visionários: elevando o valor estratégico da área de suprimento para o negócio"
Cerca de 10% dos líderes fizeram investimentos maiores na transformação digital da área de procurement e registraram mais benefícios. Para se qualificarem como líderes, precisaram satisfazer critérios em quatro áreas: alto grau de automação dos processos; uso frequente de dados para fundamentar a tomada de decisões; uso de tecnologia para influenciar os negócios; e menos desafios na gestão de procurement do que outros participantes da pesquisa.

2. "Desempenho baseado em boa gestão da área de compras e supply chain"
O levantamento mostra que, embora estejam colhendo os benefícios da digitalização, as organizações ainda enfrentam desafios. Cerca de 38% dos executivos disseram que a maioria ou todos os processos de procurement ainda é manual e apenas 54% afirmaram que as tecnologias usadas nessa área ajudam a tomar decisões baseadas em dados. De acordo com o relatório, empresas que adotaram o uso de dados e análises, exploraram o poder da inteligência artificial e contam com novas tecnologias estão obtendo melhores resultados.

3. "O gerenciamento de riscos do fornecedor mostra progresso, mas há muito espaço para melhorias"
O relatório revela vulnerabilidades generalizadas na gestão de riscos associados a fornecedores, entre elas pouca visibilidade e dependência excessiva de um conjunto pequeno de provedores. Apenas 49% dos executivos disseram que atualizam regularmente os planos de mitigação de riscos para lidar com possíveis paralisações, e apenas 32% disseram que a gestão de riscos associados a fornecedores é altamente eficaz.

4. "Colaboração estreia com fornecedores precisa ir além das transações: líderes de gastos diretos se envolvem com fornecedores essenciais para melhorar o desempenho"
Os dados mostram que líderes envolvidos com gastos diretos que adotam a automação e tratam fornecedores como parceiros geram excelentes resultados para os negócios. Segundo o estudo, 92% dos líderes visionários disseram que usam uma rede de colaboração com fornecedores, em comparação com 69% dos outros participantes da pesquisa. Além disso, 76% desses líderes disseram que dão aos fornecedores visibilidade sobre as futuras demandas por seus produtos, em comparação com 44% dos outros participantes.

5. "Categoria de despesas significativamente subgerenciada: força de trabalho externa. Como aumentar a visibilidade sobre essa parcela para obter melhores resultados comerciais"
O estudo destacou que apenas 35% dos executivos disseram que usam tecnologia para ajudar a gerenciar a força contingente de trabalho e 70% disseram que usam tecnologia para contratar serviços. Dado que a força de trabalho externa compõe uma grande categoria de despesas estratégicas que promove a agilidade dos negócios, a adoção mais ampla de sistemas de gestão de fornecedores preferenciais pode ajudar as organizações a contratar prestadores de preferência, usar vários modelos de preços, aplicar taxas negociadas, rastrear a qualidade do trabalho e utilização de equipamentos e gerenciar a segurança dos acessos.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA