Aéreas precisam de apoio governamental contínuo, diz Iata

|

Unsplash/Marcus Zymmer
A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) alertou que o setor de aviação enfrentará um "inverno rigoroso" e pediu aos governos de todo o mundo que continuem fornecendo medidas de socorro à medida em que a crise de covid-19 continua. De acordo com a entidade, as companhias aéreas devem registrar uma perda de US$ 84,3 bilhões em 2020 e o alívio financeiro do governo é a salvação para muitas companhias aéreas.

A maior parte das companhias aéreas ganha dinheiro na temporada de verão do hemisfério norte, enquanto a temporada de inverno, mesmo nos melhores momentos, é uma luta para permanecer lucrativa. Por exemplo, a margem de lucro líquido de 2019 para as companhias aéreas europeias seguiu o padrão sazonal normal e foi de 9% e 17%, respectivamente, no segundo e terceiro trimestres (verão do norte). Mas começou em -1% no primeiro trimestre e terminou o ano em 2% no quarto trimestre (inverno do norte). A temporada de inverno será ainda mais desafiadora em meio à recuperação da covid-19.

INTENÇÃO DE VIAJAR
Uma pesquisa de opinião pública na primeira semana de junho de 2020 mostrou maior cautela entre os viajantes ao retornar a viajar. Apenas 45% dos viajantes entrevistados pretendem voltar ao céu alguns meses após o desaparecimento da pandemia. Outros 36% disseram que esperariam seis meses. Essa é uma mudança significativa em relação a abril de 2020, quando 61% disseram que voltariam a viajar alguns meses após a pandemia e 21% responderam que esperariam cerca de seis meses.

“As pessoas estão voltando aos céus, mas o horizonte de incerteza da crise de covid-19 está se estendendo. As reservas encaminhadas caíram e as pessoas estão fazendo reservas mais perto da data da viagem. As companhias aéreas do hemisfério norte dependem de uma forte temporada de verão e de uma curva previsível de reservas para superá-las durante os meses magros. Mas nenhuma dessas condições está em vigor e as companhias aéreas precisarão de ajuda continuada dos governos para sobreviver a um inverno difícil. As empresas aéreas precisarão de muito mais flexibilidade para planejar horários em torno dessas tendências de consumo em mudança. A flexibilidade financeira e operacional significa sobrevivência”, afirmou o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

A Iata destacou quatro áreas-chave nas quais os governos poderiam ajudar as companhias aéreas: estender a isenção da regra de uso dos slots nas diretrizes para aeroportos internacionais, assistência financeira contínua, extensões para subsídios salariais e medidas de alívio de tributação das empresas, e evitar o aumento nas cobranças e taxas.

Divulgação/ Iata
Alexandre de Juniac, presidente da Iata
Alexandre de Juniac, presidente da Iata
“Cada dia vemos mais pessoas viajando. Isso é bom para a economia. Os números estão se movendo na direção certa, mas não estamos nem perto dos níveis normais ou sustentáveis de atividade. As medidas de alívio financeiro ainda são desesperadamente necessárias. E medidas de alívio de políticas como uma renúncia ao uso de slots permanecem críticas. Os governos precisam conceder isso o mais tardar no final de julho para fornecer pelo menos essa certeza para essa indústria atormentada e maltratada”, concluiu de Juniac.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA