Iata culpa coronavírus por pior mês da aviação desde 2010

|

Emerson Souza
Iata divulgou dados do tráfego aéreo no primeiro mês do ano
Iata divulgou dados do tráfego aéreo no primeiro mês do ano
A Associação Internacional de Transportes Aéreos (Iata) revelou que janeiro de 2020 registrou o pior crescimento de demanda na aviação global em quase dez anos. Na comparação entre o primeiro mês deste ano e o de 2019, o aumento na taxa RPK foi de apenas 2,4%, o que, segundo a entidade, já pode ser considerado um reflexo do novo coronavírus (Covid-19).

LEIA TAMBÉM
Momento não exige interrupção de viagens e eventos, diz infectologista
Coronavírus: veja comunicados de companhias aéreas

“Janeiro foi só a ponta do iceberg em termos de impacto ao tráfego aéreo ocasionado pelo surto de Covid-19, até mesmo porque as grandes restrições de viagens em relação à China só tiveram início no dia 23. De qualquer maneira, foi o suficiente para causar o crescimento mensal mais lento em quase uma década”, comentou o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

Em abril de 2010, o fraco desempenho da aviação internacional foi ocasionado pela erupção do vulcão Eyjafjallajoekull, na Islândia, que lançou uma nuvem de cinzas sobre a Europa, paralisando o tráfego aéreo.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus e viagens: o que fazer? Líderes analisam
Coronavírus: Viagens dos EUA para Ásia caem 87,7%

“O surto do coronavírus é uma crise global que está testando a resiliência não só da indústria da aviação como da economia global. As companhias aéreas estão enfrentando quedas de dois dígitos em termos de demanda e diversas rotas foram canceladas. Aeronaves estão paradas e funcionários estão sendo convidados a se retirar. Em uma situação emergencial como esta, os governos precisam garantir a manutenção das conexões aéreas”, indicou Juniac.

Divulgação
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
“A suspensão das regras de slots em aeroportos e a redução de taxas aeroportuárias onde a demanda sofreu queda são medidas importantes que acreditamos serem benéficas às companhias aéreas neste momento de crise e, posteriormente, no de recuperação”, completou o CEO da Iata.

ESTAGNAÇÃO ASIÁTICA (E LATINO-AMERICANA)
De acordo com os dados revelados, as regiões da Ásia-Pacífico e da América Latina tiveram desempenhos semelhantes quanto à demanda em janeiro de 2020, registrando crescimento ínfimo de 0,4% sobre o mesmo mês do ano passado. Por outro lado, a taxa de ocupação latino-americana subiu 0,3%, ficando em 82,6%, enquanto a asiática caiu 1,5%.

No mesmo período, Oriente Médio (5,9%), América do Norte (5,7%) e África (5,2%) registraram os maiores incrementos na taxa RPK. A oferta de assentos (ASK) e a taxa de ocupação também tiveram crescimentos, enquanto que, globalmente, o share da aviação foi liderado pela Ásia-Pacífico, com 34,7% do total. Com 26,8%, a Europa ficou na segunda colocação.

As empresas aéreas devem perder mais de US$ 20 bilhões este ano por conta do vírus, e várias já negociam contratos de aeronaves e férias coletivas pontuais.

Para ler o relatório completo da Iata (em inglês), clique aqui.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA