Recuperação da aviação em outubro desaponta Iata

|

Divulgação/ Iata
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata
A International Air Transport Association (Iata) anunciou que a recuperação da demanda de passageiros "continuou a ser decepcionantemente lenta em outubro". A demanda total (medida em receita por passageiro por quilômetro ou RPKs) caiu 70,6% em comparação com outubro de 2019. Esta foi uma melhoria modesta em relação ao declínio de 72,2% ano a ano registrado em setembro. A capacidade caiu 59,9% em comparação com o ano anterior e a taxa de ocupação caiu 21,8 pontos percentuais para 60,2%.

A demanda de passageiros internacionais em outubro caiu 87,8% em comparação a outubro de 2019, praticamente inalterada em relação ao declínio ano a ano de 88,0% registrado em setembro. A capacidade ficou 76,9% abaixo dos níveis do ano anterior e a taxa de ocupação encolheu 38,3 pontos percentuais para 42,9%.

Já a demanda doméstica registrou uma pequena recuperação com o tráfego doméstico em outubro caindo 40,8% em comparação com o ano anterior. Isto foi uma melhora de um declínio de 43% ano a ano em setembro. A capacidade ficou 29,7% abaixo dos níveis de 2019 e a taxa de ocupação caiu 13,2 pontos percentuais para 70,4%.

“Novos surtos de covid-19 e a dependência contínua dos governos de quarentenas violentas resultaram em outro mês catastrófico para a demanda por viagens aéreas. Embora o ritmo de recuperação seja mais rápido em algumas regiões do que em outras, o quadro geral para viagens internacionais é sombrio. Esta recuperação desigual é mais pronunciada nos mercados domésticos, com o mercado doméstico da China quase se recuperando, enquanto a maioria dos outros continua profundamente reprimido”, afirmou o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

Mercados internacionais
Divulgação
As companhias aéreas latino-americanas experimentaram uma queda de demanda de 86% em outubro, em comparação com o mesmo mês do ano passado. A região apresentou a maior melhora em setembro, quando a demanda anual caiu 92,3%. A capacidade de outubro caiu 80,3% e a taxa de ocupação caiu 23,5 pontos percentuais para 57,7%, a maior entre as regiões.

Mercados domésticos
Divulgação
O tráfego doméstico da China caiu apenas 1,4% em outubro em comparação com outubro do ano passado. A economia doméstica estava próxima da normalidade e as tarifas baixas e os acordos "tudo que você pode voar" impulsionaram a demanda.

O tráfego doméstico da Rússia caiu de volta para números negativos em outubro, queda de 10% após dois meses de crescimento. Novos casos de covid afetaram a confiança dos viajantes, apesar de poucas restrições a viagens domésticas.

“Esta crise é implacável. Nossa última previsão econômica é de que as companhias aéreas percam US$ 118,5 bilhões este ano, ou US$ 66 para cada passageiro transportado. Supondo que as fronteiras sejam reabertas em meados de 2021, o setor "só" perderá US$ 38,7 bilhões em 2021. Agora é a hora de os governos se manifestarem. Os US$ 173 bilhões de apoio fornecido até o momento permitiram que a indústria sobrevivesse, mas é necessário mais para levar a indústria até o próximo verão. A Iata identificou uma série de opções de estímulo de mercado que apoiarão a viabilidade das rotas aéreas e, ao mesmo tempo, estimularão as pessoas a viajar. Sem a contribuição de US$ 3,5 trilhões da aviação para o PIB global, não pode haver uma recuperação econômica mais ampla”, concluiu de Juniac.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA