Clia considera orientação do CDC impraticável e injusta com o setor

|

Divulgação
Após receber orientação técnica atualizada fornecida às linhas de cruzeiro na sexta-feira pelos Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, a Cruise Lines International Association (Clia) emitiu um comunicado à imprensa ontem (5) expressando decepção e preocupação com a forma como a indústria de cruzeiros está sendo tratada em comparação com outros segmentos de viagens, entitulando a nova determinação como "onerosa" e "amplamente impraticável".

De acordo com reportagem do portal Travel Agent Central, a Clia, que representa 95% da capacidade global de cruzeiros oceânicos e a maior rede de consultores de viagens e agências especializadas em viagens de cruzeiro, reiterou o seu apelo para que a Ordem para Navegação Condicional (CSO) seja suspensa. O CDC disse no final de março que esse CSO permaneceria em vigor até 1º de novembro de 2021.

"Compartilhamos a prioridade da administração Biden de controlar o vírus e elogiamos os avanços significativos feitos nos EUA que são um modelo para outros. Também respeitamos a autoridade do CDC de implementar medidas no interesse da saúde pública; no entanto, as instruções adicionais da indústria de cruzeiros emitidas em 2 de abril pelo Centro de Controle de Doenças (CDC) no âmbito da Estrutura para Navegação Condicional (CSO) são decepcionantes. Os novos requisitos são excessivamente onerosos, em grande parte impraticáveis e parecem refletir um objetivo de risco zero em vez da abordagem de mitigação para covid-19 que é a base para todos os outros setores americanos de nossa sociedade", disse a Clia no comunicado.

"O efeito dessas novas ordens é que quase meio milhão de americanos - de estivadores e operadores de transporte terrestre a hotéis, restaurantes e funcionários de varejo, agentes de viagens e dezenas de milhares de empresas que prestam serviços de cruzeiros - continuam a sofrer financeiramente sem motivos razoáveis ou cronograma fornecido para o retorno seguro do cruzeiro", completou.

A declaração continuou: "Além disso, as instruções estão em desacordo com a abordagem que o CDC e os governos em outras partes do mundo aplicam a todos os outros segmentos de viagens e Turismo para mitigar o risco de covid-19. No mesmo dia, o CDC emitiu novas cláusulas onerosas para a indústria de cruzeiros, cinco meses após o pedido original, e também emitiu orientações relaxadas para viagens domésticas e internacionais devido ao progresso da vacinação e ao reconhecimento da melhoria do ambiente de saúde pública".

A Clia observou que, desde o reinício dos cruzeiros em várias partes do mundo desde o seu desligamento no início da pandemia na primavera passada, cerca de 400 mil passageiros já partiram da Europa e partes da Ásia. As filas e os passageiros seguiram "protocolos rigorosos e baseados na ciência que resultaram em uma taxa de incidentes muito menor do que em terra".

"A ironia é que hoje um americano pode voar para um grande número de destinos para fazer um cruzeiro, mas não pode embarcar em um navio nos Estados Unidos", acrescentou a Clia. “Isso priva os trabalhadores dos EUA de participar da recuperação econômica e não reconhece os avanços na saúde pública que foram feitos ao longo de muitos meses, incluindo a capacidade de mitigar efetivamente os riscos em navios de cruzeiro".

A associação ainda disse que sem nenhum caminho ou prazo para a retomada nos Estados Unidos, é provável que sejam anunciados mais cruzeiros originários do Caribe e de outros lugares, fechando efetivamente os portos americanos, fechando milhares de pequenos negócios americanos e empurrando toda uma indústria para o Exterior.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA