Clia, Costa e MSC demonstram otimismo com temporada 2021/22

|

Reprodução Youtube
Dario Rustico (Costa), Ernani Paciornik (Náutica), Gilson Machado (MTur), Marco Ferraz (Clia) e Adrian Ursilli (MSC) durante coletiva
Dario Rustico (Costa), Ernani Paciornik (Náutica), Gilson Machado (MTur), Marco Ferraz (Clia) e Adrian Ursilli (MSC) durante coletiva
Hoje (4), antes do começo da feira São Paulo Boat Show, o São Paulo Expo sediou uma coletiva de imprensa do Ministério do Turismo sobre a retomada dos cruzeiros no Brasil. Amanhã (5), a temporada brasileira 2021/2022 de cruzeiros será iniciada com a partida do MSC Preziosa de Santos após 20 meses de paralisação do setor no País devido à pandemia da covid-19. No total, serão cinco navios na temporada, três da MSC e dois da Costa.

"Cinco navios é muito pouco para o Brasil. Gostaria de estar comemorando uma temporada de 50 navios", afirmou o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, que também lançou um desafio a Costa Cruzeiros e MSC, presentes na coletiva. "Temporada de cruzeiros? Por que só temporada? Por que não ser uma atividade perene? Deixem os navios aqui, façam um teste. Acreditem no Brasil, não vão se arrepender", disse ao oferecer apoio do governo federal para que os navios permaneçam no País o ano todo.

O evento contou com a presença do presidente da Clia Brasil, Marco Ferraz; do presidente da MSC, Adrian Ursilli; e do presidente da Costa Cruzeiros, Dario Rustico. Durante suas falas, todos agradeceram ao ministro Gilson; enquanto Marco Ferraz agradeceu aos representantes das companhias que irão operar na temporada de cruzeiros brasileira, e aos Estados e Munícipios com quem trabalharam.

O presidente da Clia explicou a temporada 2021/2022 de cruzeiros no Brasil em números: 5 navios, 388 mil leitos, 24 mil empregos gerados, R$ 1,7 bilhão injetados na economia nacional, 7 Estados e 14 munícipios contemplados pelas operações. "Dario e Adrian são verdadeiros embaixadores do País. Eles vendem o Brasil para suas empresas lá fora, e só tenho a agradecer a operação e trabalho dos dois no mercado brasileiro", afirmou Ferraz.

MSC

Adrian Ursilli comemorou a retomada dos cruzeiros no Brasil. "Ainda que pequena com 5 navios, ministro, esta temporada é o início de uma grande jornada. Finalmente, voltaremos a fazer o que nós amamos, navegar e gerar empregos. Tive duas grandes emoções ao ver o navio atracado. O primeiro foi ver o navio de fato e o segundo foi ver os tripulantes trabalhando, o terminal ativo, preparando o navio para receber os hóspedes", afirmou o presidente da MSC Brasil.

Em resposta ao desafio do ministro do Turismo, Ursilli afirmou que "temos interesse em estar no Brasil o ano todo. A questão é que temos de superar juntos os gargalos. Na baixa temporada, os custos pesam mais. No momento, estamos focados em superar os desafios presentes de segurança e higiene, mas precisamos voltar a discutir as barreiras que impedem o crescimento do setor, como questões fiscais, altas taxas e infraestrutura portuária. São alguns entraves burocráticos que engessam o crescimento do Brasil. Se compararmos com outros mercados, o Brasil perde em competitividade", explicou.

COSTA

Complementando a fala de Ursilli, o presidente da Costa Cruzeiros, Dario Rustico, afirmou que o limite do Brasil é a "temporada". "Aqui temos condições de navegação durante todo o ano. Precisamos fazer um plano de negócios e competir. E esse é o momento de discutirmos isso. Brasil tem uma oportunidade enorme e estamos aqui para construirmos isso juntos", afirmou.

Sobre a temporada 2021/2022, Rustico afirmou ser um "misto de emoções porque foi uma trajetória longa, de muito trabalho e muitos desafios, mas esta retomada é um grande marco". A Costa contará com dois navios nesta temporada, Smeralda e Fascinosa, e o presidente adiantou que mais um será adicionado na temporada 2022/2023, o Costa Toscana, novo navio da empresa a ser inaugurado em 2022.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA