21% dos gestores já medem o nível de estresse dos viajantes

|


Emerson Souza
Viviânne Martins (Academia de Viagens Corporativas) fala para os participantes
Viviânne Martins (Academia de Viagens Corporativas) fala para os participantes
Uma pesquisa da Association of Corporate Travel Executives (Acte) revelou que 21% dos gestores de viagens já medem o nível de estresse de seus seus viajantes e 87% deles consideram importante essa medição.

No que se refere ao sucesso da viagem, 81% consideram importante mensurá-lo e 13% já o fazem. Mas como é possível medir essa satisfação?

“Fazer ao viajante questões como ‘qual é a sua opinião sobre a viagem? Foi feliz? Qual nota dá para a sua jornada?’ abre janelas de oportunidades para melhorar as políticas de viagens, mas apenas a pesquisa de satisfação às vezes não é o suficiente”, comenta a sócio-diretora da Academia de Viagens Corporativas, Patricia Thomas.

“Fazer um gamification para avaliar satisfação do viajante é outra opção”, sugere a sócio-diretora da Academia de Viagens, Viviânne Martins. Ela destaca que o engajamento do viajante com a política de viagens é um processo orgânico. “Acontece naturalmente. Se a política do gestor oferece algo legal, por que o viajante não entraria neste programa?”, destaca Viviânne.

O assunto foi tema do Abroad Corporate, realizado hoje pela Academia de Viagens.

 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA