Veja as medidas tomadas pelas TMCs diante da crise

|

Redes hoteleiras, locadoras, receptivos, operadoras, agências de viagens, companhias aéreas... o setor de Viagens e Turismo e todas as suas empresas precisaram se readaptar e tomar medidas para conter a crise sem precedentes causada pela pandemia do novo coronavírus.

Divulgação/Facebook
TMCs estão tomando medidas para mitigar os efeitos da crise causada pela pandemia do novo coronavírus
TMCs estão tomando medidas para mitigar os efeitos da crise causada pela pandemia do novo coronavírus
Com as TMCs não foi diferente e muitas delas estão agindo para mitigar os efeitos da covid-19 no mercado de viagens e eventos corporativos, nas próprias companhias, nos colaboradores e clientes. Confira abaixo as respostas de algumas das empresas e, caso queira mandar o posicionamento de sua TMC, por favor envie a redacao@panrotas.com.br.


LEIA TAMBÉM:
Consolidadoras encaram crise em home office e atentas
Operadoras e agências alteram regime de trabalho na crise; veja exemplos
Como as empresas de receptivo lidam com a evolução do coronavírus
O que as locadoras estão fazendo em relação ao coronavírus?
Saiba como a hotelaria está lidando com os impactos do Covid-19


ABRACORP
A primeira atitude da Abracorp foi procurar os sindicatos, visando a uma forma de ajustar a legislação trabalhista a esse cenário de venda quase zero. Outro ponto fundamental é a informação constantemente atualizada ao cliente, que está totalmente vulnerável, principalmente aquele em viagem.

“Agimos em três esferas. No governo, levando proposições imediatas em relação a medidas tributárias, nas linhas de crédito oficiais, além de pedido de ajuda para as relações de consumo, fundamental nesse ponto. No lado trabalhista, atuação junto aos sindicatos para, urgentemente, as agências poderem tomar providências que minimizem até demissões”, explica o presidente executivo da entidade, Gervasio Tanabe.

No lado operacional, a associação mantém contato ininterrupto. Criou uma cartilha com cinco ações recomendadas nesse momento de crise profunda, disponível no site https://www.abracorp.org.br/biblioteca-apresentacoes.

No atual momento, A Abracorp recomenda que os eventos sejam postergados e não cancelados. “Os eventos trazem conhecimento e capacitação, e isso não pode ser cancelado. O mundo voltará à ativa. E quando isso acontecer, temos que estar preparados. Sendo postergados, temos que ser criativos para oferecer algo diferenciado. Afinal, o cliente está em choque.”

Segundo Tanabe, as perspectivas para os próximos dois ou três meses são terríveis, uma vez que as vendas despencaram para níveis que se aproximam do zero. No entanto, existem segmentos que já começam a reagir, mesmo com todas as dificuldades. Os resultados vão melhorar, mas em ritmo lento.

AVIPAM
A Avipam manteve e manterá sua estrutura base para apoiar os clientes, oferecendo as ferramentas que necessitarem. Os atendimentos dedicados continuam ativos, assim como o atendimento emergencial 24 horas após o horário comercial. O executivo de relacionamento responsável por cada empresa também poderá ser acionado para dúvidas e suporte.

A TMC implementou também a política de trabalho externo para garantir maior isolamento dos colaboradores e menor chance de contágio do vírus, seguindo as orientações do Ministério da Saúde. A empresa manterá ainda seus canais de comunicação – mídias sociais e blog – atualizados sobre novidades relevantes do mercado.

BCD TRAVEL
Neste início, a BCD Travel está trabalhando fortemente com TI e segurança da informação para viabilizar um plano de ação rápido, porém, seguro. Toda a equipe está em home office, com acesso a todos os recursos, incluindo softphone para telefonia.

Além disso, todo o calendário de eventos e ações, tanto da TMC para os clientes quanto para os colaboradores, do primeiro semestre, será remanejado para o segundo semestre, ou quando possível.

COPASTUR
A Copastur teve como primeira estratégia estudar crises passadas para entender como agir e como se preparar neste momento para atender os clientes. Para preservar os colaboradores, deram toda a autonomia possível, tomando as medidas indicadas pelos governos e instituições de saúde.

A equipe de atendimento operacional está focada em trazer de volta, em segurança, os passageiros para os seus lares e resolver qualquer necessidade que eles tenham neste retorno. A empresa está trabalhando de forma personalizada para que todos os clientes tenham o mínimo de impacto possível.

Nas últimas semanas, o departamento de viagens personalizadas tem auxiliado os clientes ao redor do mundo a voltarem para casa, a pensarem nas suas próximas viagens e a remarcarem as que tinham programadas. A TMC entende que o momento é também uma oportunidade de trazer consciência da importância de se ter um profissional de viagens dedicado para dar todo o apoio em momentos de crise como este.

Todo o time de customer success está on-line e disponível para atender, com os canais ativos 24 horas por dia. No blog da Copastur também já está disponível um canal exclusivo e atualizado constantemente com notícias sobre a pandemia e desdobramentos da covid-19.

GRUPO ARBAITMAN
“Quando foram surgindo as notícias, na semana retrasada, chamamos todos os nossos colaboradores para garantir a saúde deles em primeiro lugar. Diante disso, passamos a adotar um planto de contingência até saber o que fazer. Começamos a diminuir a carga de trabalho e já colocar alguns em home office”, conta o vice-presidente do grupo, Siderley Santos.

Na semana passada, começando pelos diretores das três empresas que compõem o grupo – Maringá Turismo, Central de Eventos e Lemontech –, foram feitos acordos coletivos para garantir o emprego de todos os profissionais. Os que tinham férias vencidas ou que podiam ser antecipadas, tiraram o período, e o mesmo foi aplicado para quem tinha banco de horas.

Uma das medidas estabelecidas foi instaurar uma licença de 90 dias, com um pacote de benefícios, que inclui assistência médica ao colaborador e seus familiares dependentes, vale-alimentação e, em casos de empréstimos consignados, cada caso foi avaliado individualmente para a empresa arcar com este compromisso com o banco.

De acordo com Santos, 98% dos funcionários aderiram ao pacote, entenderam bem a situação e estão com o emprego garantido para a volta. Somente quatro foram desligados, de comum acordo, por já terem outros projetos. Alguns colaboradores puderam continuar suas rotinas normais de atendimento em formato home office, recebendo salário e benefícios normalmente.

“Comunicamos todos os nossos clientes sobre nosso plano de contingência para atendimento, com plantão 24 horas e atendimento no aeroporto. Um dos grandes impactos nas viagens corporativas é a questão dos reembolsos, por isso, montamos uma estrutura mais forte para ajudar neste quesito”, explica.

Quanto a eventos internos e treinamentos, todos foram adiados e muitas coisas estão sendo transformadas para o formato on-line. Em relação aos eventos dos clientes, o grupo está trabalhando nas negociações com fornecedores.

TOUR HOUSE
O Grupo Tour House agiu rápido para preservar ao máximo todos que fazem parte da comunidade e para passar por todo o período sem desligamentos desnecessários. A princípio, a empresa se mobilizou para colocar a maioria dos colaboradores em home office, com a maior agilidade possível, e adiantou as férias de todos os colaboradores possíveis, pois previa a queda do movimento.

Foi proposto para as principais lideranças da companhia renunciar a parte de seus ganhos em detrimento do time e muitos se mostraram a favor e aderiram à ideia. Além disso, o grupo travou todos os investimentos e esforços em frentes que são entendidas como custos para que pudesse focar nas demandas da crise e continuar oferecendo o atendimento com o padrão de qualidade usual. Montou também um cronograma de ações e reuniões para acompanhar e realinhar as estratégias de acordo com as atualizações do cenário.

Apesar da gravidade da situação econômica que afetou de forma muito forte o segmento de Turismo e que vem contaminando outros setores da economia, a Tour House está confiante de que o período de pico no Brasil e controle da situação será superado de forma menos traumática que em outros países, devido ao fato de ter exemplos como o da China e da Coréia do Sul para se pautar.

VOETUR TURISMO
Com cautela e seriedade, a Voetur Turismo colocou em prática todas as orientações do presidente da TMC, Carlos Alberto de Sá, que incluem a manutenção dos empregos, salários e direitos, a excelência na prestação de serviços e tranquilidade aos fornecedores.

A empresa implementou a política de home office, priorizando a segurança e saúde dos colaboradores, seguindo todas as orientações do Ministério da Saúde. E, aos clientes, mantém a manutenção dos atendimentos, ininterruptamente, 24 horas por dia, sete dias por semana.

"Executamos um inédito plano de antecipação de pagamentos à fornecedores, permitindo assim que nossos parceiros comerciais possam contar com recursos para manutenção dos seus negócios enquanto a crise permanecer – queremos assim que o segmento se sustente num modelo de apoio mútuo", conta o diretor da Voetur, Humberto Cançado.

A TMC teve ainda a oportunidade de colocar em prática seu plano de continuidade de negócios e mitigar, assim, muitos dos impactos percebidos ao longo destes dias.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA