Por que a travel tech não substitui a consultoria de uma TMC?

|

Tecnologia e know how. Dois fatores que andam – e, se não andam, precisam andar – juntos quando se fala em viagens corporativas. Oferecer uma plataforma digital com recursos tecnológicos para facilitar a experiência e a jornada do viajante e, por trás, um atendimento de um consultor especializado para dar todo o suporte necessário. Essa é a combinação perfeita para quem viaja a trabalho.

Reprodução
Por que a travel tech não substitui a consultoria de uma TMC?
Por que a travel tech não substitui a consultoria de uma TMC?
Como clientes, as empresas buscam há tempos por soluções para seus viajantes e, com a transformação digital que foi ainda mais acelerada pela pandemia de covid-19, o momento é de potencializar novos produtos. Neste sentido, a sinergia entre TMCs e travel techs é fundamental para atingir o atendimento com excelência.

“O mercado de viagens corporativas está mudando desde 2013 e percebemos que o setor tinha uma brecha para explorar, pois tinha uma defasagem na parte de tecnologia em relação a tudo que as viagens a lazer traziam naquele momento. Vimos grandes players sendo criados e o corporativo não tinha a mesma experiência. A partir disso, foram surgindo empresas focadas na jornada do viajante. Hoje, percebe-se que a tecnologia é superimportante, juntamente com a consultoria, o suporte, tudo aquilo que a agência faz muito bem e, agora, está dando apoio à tecnologia”, diz o CEO da OpenTrips, Ricardo Gonçalves.

TRAVEL TECHS

Uma tendência na indústria de Viagens e Turismo como um todo, as travel techs vêm surgindo como uma opção de trazer a expertise da agência de viagens corporativas com a prestação de serviços, com tecnologia de ponta para que elas possam executar as operações. O intuito é oferecer soluções tecnológicas, juntamente com um serviço premium.

“No início, falou-se que uma substituiria a outra. Mas não é assim. A travel tech vem para complementar o atendimento da TMC. Ela se posiciona, hoje, como um complemento de fato. As agências vêm entendendo que precisam dela para oferecer aos seus clientes mais tecnologia e mais agilidade. Nós, da Flytour Business Travel, estamos juntos, muito juntos, com a OpenTrips [adquirida recentemente pela holding BeFly] para trazer uma experiência eficiente para os nossos clientes”, conta a diretora executiva do braço de viagens corporativas da empresa, Dalva Camargo.

A junção da tecnologia de uma travel tech com o know how e a consultoria de uma agência especializada – assim como a constatação que um não substitui o outro – foi tema do Espaço Alagev da Revista PANROTAS de número 1.506 que circula nesta semana. A matéria completa pode ser encontrada nas páginas 28 e 29. Veja abaixo.



 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA