Com Argentina perto de reabrir, Inprotur traça planos no Brasil

|


Unsplash
Diversidade natural e cultural do país serão reforçadas ao trade brasileiro, com aposta em novos mercados emissores
Diversidade natural e cultural do país serão reforçadas ao trade brasileiro, com aposta em novos mercados emissores

O ministro dos Transportes da Argentina deu o primeiro sinal de que o país vizinho vai por fim em um período de mais de seis meses de hiato aéreo e abrir as fronteiras para visitantes internacionais em algo próximo a 12 de outubro. Por sua vez, as iniciativas privada e pública da Argentina já se movimentam para um começo de retomada e colocar em prática os protocolos que vêm sendo estudado há meses por companhias aéreas, hotéis, aeroportos, receptivos, restaurantes, centros de esqui e atrativos.

Principal entidade do Turismo da Argentina, o Inprotur, por meio de seu secretário executivo, Ricardo Sosa, garante que a casa está arrumada para receber os visitantes de um de seus maiores mercados emissores, o Brasil. E esta crise pode ter despertado no país uma oportunidade que antes passava como coadjuvante. Se é certo que a retomada do Turismo será conduzida por viagens curtas e rodoviárias, é nas médias e grandes cidades do Sul do Brasil onde está a novidade da estratégia argentina.

Divulgação
Ricardo Sosa, secretário executivo do Inprotur
Ricardo Sosa, secretário executivo do Inprotur

"É hora de estimular as províncias fronteiriças. Habitantes de cidades como Maringá, Londrina, Ponta Grossa, Cascavel, Chapecó, Blumenau, Joinville, Gravataí e Santa Maria vão ser mais impactados por nosso marketing, e o trade destes locais será treinado sobre os destinos que os cercam. Também coordenamos com as companhias viárias que ligam a Argentina a essas cidades", explica Ricardo Sosa. Mais de 150 serviços são feitos mensalmente por 12 companhias viárias entre os países.

GRANDES CAPITAIS TAMBÉM CONTEMPLADAS
"Mas é claro que não nos esquecemos de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Recife, Belo Horizonte, Brasília, Florianópolis, Curitiba e Porto Alegre e vamos provar que os players de cada etapa da viagem aérea estão extremamente preparados em termos de biossegurança, em protocolos rígidos. Garanto que está tudo pronto, do transporte à hospedageM, do receptivo aos restaurantes, e contamos com a responsabilidade dos próprios turistas para que a pandemia não avance. Nossa parte está assegurada, mas não podemos relaxar até a chegada da vacina", alerta o secretário .

DIVERSIDADE ARGENTINA
São duas estratégias bem definidas que ainda carregam um desejo antigo do Inprotur: mostrar a diversidade do país para além de Buenos Aires e Bariloche. "Vínhamos conseguindo mostrar que além da capital e da Patagônia podemos oferecer mais. Nosso país é muito extenso, com muita riqueza natural e cultural. No âmbito nacional, as províncias já estão comunicando com o setor de transporte para demonstrar que estão prontas para abrir. Jujuy, Santiago del Estero, Catamarca e outras regiões estão entre elas, e têm o potencial de encantar os brasileiros com mais do que a vida noturna e o lado urbano de Buenos Aires", descreve Sosa.

PRODUTOS DE NEVE E ABAV NACIONAL
Ciente de que recuperar o índice de 1,4 milhão de visitantes brasileiros registrado no ano passado é tarefa árdua, o Turismo argentino pretende dar um passo de cada vez para atrair os vizinhos. O Inprotur, que já era afiliado Braztoa, assinou como o novo sócio-aliado da Abav Nacional. Para Sosa, esta é uma prova de compromisso com o agente de viagens brasileiro.

"Fizemos um trabalho na Abav Collab de pré-venda muito forte com foco nos produtos de neve para 2021, com o acompanhamento da Aerolíneas Argentinas. As condições são especiais e as vendas são para um período para o qual esperamos mais tranquilidade. O esqui tem muito apelo para com o brasileiro. É uma aposta certeira. O brasileiro pode se programar pois falta quase um ano para o próximo inverno. É possível planejar a viagem aos poucos", afirma. A Aerolíneas terá quatro voos semanais em São Paulo durante outubro, até que a fronteira se abra oficialmente.

ABERTURA OFICIAL
Ricardo Sosa acredita que falta pouco para que as fronteiras se abram para visitantes de lazer, corporativo e eventos. Depois da sinalização do ministro, o trade local ficou mais otimista com uma abertura cautelosa das fronteiras.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA