Perspectiva de viagens corporativas segue forte no longo prazo

|

Shutterstock
Pesquisa da GBTA indica que o otimismo segue, apesar da variante Omicron diminuir o impulso de curto prazo
Pesquisa da GBTA indica que o otimismo segue, apesar da variante Omicron diminuir o impulso de curto prazo
Desenvolvimentos de novas variantes, restrições governamentais e inconsistências de políticas internacionais estão atualmente impedindo um retorno mais acelerado para viagens a negócios globais, segundo a Global Business Travel Association (GBTA). No entanto, de acordo com a última pesquisa da associação, a indústria continua a refletir progresso e otimismo em suas expectativas de longo prazo para 2022.

“Aqui, no início de um novo ano, o setor de viagens a negócios e os viajantes corporativos continuam a enfrentar um cenário em constante mudança devido à ômicron. Um comentário recebido de um entrevistado prontamente resume tudo: 'A incerteza é um enorme cobertor molhado nas viagens'. Apesar da onda da variante e todos os desafios que ela criou, há sinais positivos e os profissionais do setor continuam otimistas com as perspectivas de longo prazo das viagens corporativas globais”, disse a CEO da entidade, Suzanne Neufang.

Esta pesquisa é a 25ª da série "Covid-19 Recovery" da GBTA, que acompanha o sentimento dos compradores globais de viagens, membros fornecedores e outras partes interessadas, à medida que o setor navega nas viagens a trabalho durante tempos de pandemia. Aqui estão alguns dos destaques da pesquisa de janeiro:

OTIMISMO PARA O LONGO PRAZO

Três em cada quatro gestores de viagens esperam que o volume de viagens a negócios em sua empresa seja muito (17%) ou um pouco (58%) maior em 2022 do que em 2021. Outro em cada dez (12%) espera que as viagens corporativas permaneçam as mesmas como 2021, mas poucos (5%) esperam que seja menor.

Entre os fornecedores de viagens e TMCs, três em cada quatro esperam que a receita de suas empresas em 2022 com viagens a trabalho seja muito (25%) ou um pouco (51%) maior em relação a 2021. Um adicional em dez (13%) fornecedores e TMCs esperam que a receita de sua empresa permaneça aproximadamente a mesma de 2021.

DIMINUEM OS CANCELAMENTOS

Os resultados da pesquisa mostram um declínio na porcentagem de empresas que continuam suspendendo ou cancelando viagens corporativas. 68% das empresas membros da GBTA ainda não retomaram viagens internacionais, em comparação com 79% na pesquisa de outubro de 2021 e 29% não retomaram viagens domésticas, contra 38% em outubro. Menos de quatro em cada dez (38% versus 48% em outubro) dos entrevistados relatam que sua empresa suspendeu ou cancelou todas ou a maioria das viagens a negócios, independentemente do local.

IMPACTOS ATUAIS

Seis em cada dez (60%) fornecedores/TMCs relatam que suas reservas de clientes corporativos diminuíram em relação ao mês anterior. Um em cada cinco (21%) caracteriza suas reservas de clientes corporativos como tendo aumentado, mas outro em cada cinco (19%) relata que suas reservas permaneceram as mesmas.

A maioria dos fornecedores e TMCs pesquisados estão preocupados com o impacto da ômicron na receita de sua empresa. Sete em cada dez relatórios da variante provavelmente terão um impacto “muito negativo” (32%) ou “moderadamente negativo” (38%) na receita de sua empresa derivada de viagens corporativas. Um em cada quatro sente que a ômicron terá um impacto “ligeiramente negativo” (20%) ou nenhum impacto (3%) na receita do negócio.

COMPARAÇÃO DE VARIANTES

Quando solicitados a comparar as preocupações das variantes ômicron e delta, os entrevistados foram mais positivos, mas ainda divididos. Dois em cada cinco relatam que estão menos preocupados (43%) com a ômicron em comparação com a delta ou estão igualmente preocupados (45%). Apenas um em cada dez (13%) diz estar mais preocupado com a nova variante versus a delta.

ORIENTAÇÃO NÃO MUDOU

Relativamente poucas empresas introduziram novas restrições de viagem devido à variante ômicron. Apenas um em cada quatro (27%) gestores de viagens/dirigentes de compras relatam que sua empresa introduziu novas restrições ou requisitos de viagem, enquanto dois terços (67%) relatam que sua empresa não o fez. Mais da metade (52%) relatou que é improvável que a empresa o faça.

MAIORES BARREIRAS

Quando solicitados a nomear a maior barreira às viagens a trabalho, 43% dos entrevistados citaram políticas governamentais que restringem ou dificultam as viagens (como restrições de entrada ou quarentenas obrigatórias). Os travel managers baseados no Reino Unido (66%) e na Europa (62%) eram mais propensos do que os da América do Norte (33%) a citar as políticas governamentais como sendo a maior barreira para as viagens a negócios. Por outro lado, os gestores da América do Norte (27%) eram mais propensos do que os da Europa (15%) a dizer que as políticas da empresa que restringem os funcionários de viajar são a maior barreira.

Outras principais barreiras de viagens corporativas mencionadas incluem políticas da empresa que restringem os funcionários a viajar (24%), falta de vontade/relutância dos funcionários em viajar (9%), escritórios não totalmente abertos (9%) e congelamento do orçamento de viagens ou economia de custos (6%).

VIAGENS INTERNACIONAIS

Quando solicitados a nomear barreiras especificamente para viagens a negócios internacionais, os entrevistados disseram incerteza política (72%), requisitos rigorosos para visitantes internacionais (69%), inconsistências de políticas em diferentes países (64%) e documentação exigida (45%).

VOLTANDO

Apesar da ômicron, a maioria dos gestores de viagens sente que os funcionários estão dispostos a viajar. Dois em cada três (64%) acham que seus funcionários estão “dispostos” ou “muito dispostos” a viajar a negócios no ambiente atual. Isso caiu, no entanto, de 78% na pesquisa GBTA de outubro. A maioria de sete em cada dez (72%) membros da associação e partes interessadas relatam que definitivamente ou provavelmente viajariam a trabalho. No entanto, os entrevistados da Europa (49%) são mais propensos do que os da América do Norte (35%) a relatar que sua empresa cancelou todas ou a maioria das viagens corporativas.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA