CEO da CVC Corp: confiança é a palavra da retomada

|


Divulgação
Leonel Andrade, da CVC Corp
Leonel Andrade, da CVC Corp
CEO da CVC Corp, Leonel Andrade disse a investidores ontem (16) que "confiança" é o termo que guiará a maior empresa de Turismo do Brasil rumo a uma retomada saudável e sólida neste que foi o ano mais desafiador da história da companhia. Os obstáculos mais difíceis já foram deixados para trás, em sua visão, em termos de pandemia e reestruturação, mas a capitalização e o terreno livre de dívidas fazem Andrade passar o recado: a recuperação começou.

"Este ano foi o mais difícil da CVC Corp não só pelo óbvio da pandemia, mas devido a todos os processos, questões contábeis e enorme troca de gestões, que não fica restrita apenas à minha chegada como CEO, mas com a troca de praticamente todos os alto executivos, além de substituições no conselho de administração", afirmou Andrade, que assumiu o cargo em abril de 2020.

"Toda essas mudanças aumentam nosso desafio, mas agora é hora da confiança. A empresa está em pé, com todas 100% das obrigações em dia, sem um real de atraso com ninguém, com o respaldo dos acionistas. A CVC Corp é hoje uma companhia inteira, operando totalmente, e com a confiança de todo trade de Turismo, que investe conosco, pois sabe que estaremos fortes no futuro", completou o CEO.

Em sua avaliação, a CVC Corp tem um time de primeira linha e após meses de reestruturação tem um novo modelo de negócios. "A companhia está líquida, e agora com a renegociação das dívidas teremos tranquilidade para colocar este excelente time para atuar, agir adiante com nossa marca que é líder no mercado. Temos um time comprometido com o longo prazo."

LIVRE DE DÍVIDAS
Quando Andrade falou sobre as dificuldades contábeis enfrentadas em 2020,principalmente a distorções encontradas em balanços de anos anteriores, que somaram R$ 362,38 milhões segundo divulgado pela própria empresa. Há suspeita de manipulação de dados por ex-colaboradores da CVC e de ocultação dos erros dos auditores externos.

"Hoje estamos com disciplina financeira total. Estamos com todas as condições de garantir compromisso com os clientes e realizar novas vendas. A companhia está livre e não existe barreira para vender. Não teremos nenhum problema de fazer o funding e sustentar vendas e atendimento", ressaltou Leonel Andrade.

Segundo ele, o ganho de capital de giro em função da redução do volume de novas vendas e postergação dos embarques para contratos firmados até março de 2020 foi fundamental para alcançar este patamar. A geração de caixa operacional da companhia nos primeiro nove meses de 2020 foi de R$ 1,2 bilhão, em comparação a uma geração de caixa de R$ 247,2 milhões ano passado.
 AVALIE A IMPORTÂNCIA DESTA NOTÍCIA